Desde o armazenamento de dados até opções avançadas de segurança, cloud fornece várias soluções para instituições financeiras

Em sua forma mais simplificada, a ‘nuvem bancária’ refere-se ao uso de hardware – em armazenamento – e software – no serviço – para salvar e acessar dados. Essa tecnologia tem se mostrado uma grande aliada na gestão da informação, proporcionando capacidade e segurança, especialmente, aos bancos. Além disso, permite uma implementação mais rápida e menos dispendiosa de serviços financeiros, ao mesmo tempo em que aumenta a flexibilidade para se adaptar às necessidades do mercado.

Os primeiros provedores de tecnologia em nuvem entraram no mercado há 10 anos. Hoje,a indústria amadureceu e está se expandindo rapidamente em diversos setores de negócios, oferecendo uma oferta automatizada e centrada no cliente.

Na Europa, por exemplo, 63% dos bancos de investimento estão implementando computação em nuvem, um aumento de 33% em relação aos resultados de 2018, segundo relatório da Associação para Mercados Financeiros na Europa (AFME). O fato de estar imerso em um quadro de alta competitividade aumenta a  necessidade de apostar em soluções mais simples e ágeis.

Há também uma série de áreas-chave que os líderes das instituições financeiras estão migrando para a nuvem, como para sincronizar áreas de negócios, impulsionar a inovação empresarial e melhorar a segurança dos ambientes tecnológicos.

Armazenamento e segurança: pontos de relevância

Após o aumento dos crimes cibernéticos durante 2020 – e a necessidade urgente de apostar em infraestrutura mais robusta -, as instituições financeiras estão explorando tecnologias que lhes permitem armazenar e processar dados sem vulnerabilidades no meio.

A pandemia Covid-19 tem sido uma aceleradora dessa mudança. De fato, as previsões indicam que o mercado de soluções de segurança na nuvem no setor bancáriocrescerá mais de 33% ao ano no período 2021-2026, segundo a empresa de pesquisa de mercado Mordor Intelligence.

O estudo observa que o surgimento de novas ameaças à segurança cibernética é o que está levando os bancos a implementarem soluções em nuvem. Além disso, com o aumento do phishing, a necessidade de segurança tornou-se ainda mais importante, já que e-mails maliciosos podem vir de endereços bancários reais.

Nesse contexto, a computação em nuvem fornece um alto nível de proteção de dados, especialmente para aqueles que são sensíveis, incluindo informações do cliente. A visãomais importante por trás de sua implementação é apostar em tecnologia e estratégias que permitam antecipar os fatos de vulnerabilidade, em vez de lidar com soluções pós-falha.

Hoje, o investimento na nuvem bancária tornou-se um caminho não só para aproteção de dados, mas também para a reputação comercial. Vamos lembrar que, para os cibercriminosos, os dados são o ativo mais valioso de um banco, por isso a segurança fornecida para protegê-lo é fundamental.

Por que implementarem 2021

Os movimentos atuais do setor bancário, em termos de adoção da nuvem, permitem formar uma ideia da abordagem que os líderes de inovação tecnológica esperam alcançar para seus negócios.

Cada vez mais, os líderes bancários reconhecem que a nuvem é mais do que uma tecnologia. É um espaço para as empresas de serviços financeiros armazenarem dados e aplicativos e terem redes de segurança mais fortes, especialmente em uma Era onde os clientes estão mais conscientes com relação à privacidade.

Por sua vez, os provedores de nuvem também estão oferecendo uma grande oportunidade para otimizar as operações, como a suspensão da operação de silos de dados para riscos, custos, regulamentações etc.

Em suma, existem múltiplos benefícios para os quais a nuvem está ocupando uma posição privilegiada nos processos de transformação digital do núcleo bancário. No entanto, os processos de migração não são tão simples quanto a leitura deste texto.

Ele dará um passo em uma estratégia que permite descobrir e explorar cada um dos benefícios e projetar um roteiro e colaboração para tornar essas vantagens alcançáveis.

Andy Tran