Com o surgimento desta tecnologia, exploramos os diferentes usos dentro do setor bancário

As medidas de distanciamento social fizeram mudanças drásticas no setor financeiro e de pagamentos. Entre as soluções que ganharam atenção e adoção está o código QR, uma ferramenta rápida, segura e fácil de usar.

Há uma semelhança gráfica entre essa tecnologia e o código de barras, mas a diferença mais marcante entre ambos é que o primeiro tem a capacidade de armazenar muito mais dados, para que possa ser usado em links web, acesso a documentos, e – o que nesta oportunidade corresponde – na identificação de produtos e pagamentos.

A importância do QR está em suas próprias características. Sua capacidade de ser digitalizável permite que ele seja processado pela câmera de um smartphone, facilitando uma transação de forma rápida e fácil.

Quando se trata de pagamentos, está em consonância com as transferências bancárias imediatas que ganharam demanda nos últimos anos. Existem dois tipos: estática e dinâmica. A estática é caracterizada pela contenção da URL de pagamento colocada diretamente dentro dele, que determina que o conteúdo não pode ser alterado. Essa opção é ideal para transações online, varejistas, restaurantes, entre outros.

Muitos países da região usam QR estático para identificar empresas através de um número de contribuintes e adicionar uma conta de destino. Com isso, quando o usuário captura as informações, ele sabe para quem envia o dinheiro e é transferido de uma conta do pagador para o destinatário do pagamento.

Pelo contrário, qr dinâmico pode ser editado e, ao mesmo tempo, oferece diferentes funções, como análise de digitalização, proteção por senha, valores de compra e informações do comerciante.

QR, recepção global em andamento

Além do lado técnico, as expectativas em torno de sua adoção e uso são cada vez mais substanciais.

Até o próximo ano, 51% dos consumidores em todo o mundo estarão mais dispostos a usar códigos QR para pagamentos, porque esse método de transação é mais limpo (72%) e conveniente (68%) para pagamentos presenciais, diz um estudo mastercard realizado recentemente.

Essas abordagens percebem que o uso de códigos QR estaria adicionando sua parte além do mercado asiático, a qr meca. Lembre-se que nas principais cidades da China, por exemplo, 92% das pessoas usam qr digitalizado por telefone como principal meio de pagamento.

No contexto da pandemia global,as transações com esse tipo de tecnologia aceleraram. Nos Estados Unidos, esse formato de pagamento registrou um crescimento de 11% desde o início da crise de saúde, segundo relatório da Pymnts.

O mais recente movimento do setor é que o Facebook começou a testar códigos QR para facilitar a mediação de 600000pagamentos de pessoa para pessoa por meio de seu aplicativo. É apenas um formato “piloto” para os Estados Unidos, mas nada descarta que a big tech também se junte em breve à tendência global.

Além dos pagamentos

A adoção de QR em instituições financeiras em todo o mundo tem aumentado nos últimos anos. E ao mesmo tempo em que facilitar pagamentos digitais é um uso fundamental, essa tecnologia pode ser adaptada a outras necessidades dos bancos.

Um exemplo é a cena de marketing e publicidade. Para instituições financeiras, qr é útil para construir uma imagem da marca ou aumentar downloads de aplicativos. O banco canadense TD Bank lançou essa estratégia há algum tempo.

Este banco usa QR na publicidade de pontos de ônibus nos Estados Unidos para divulgar a localização de suas filiais. Ao digitalizar o código, o usuário é redirecionado para o localizador de agências do banco, o que lhe permitirá localizar o mais próximo.

Outro aspecto a ser anunciado são os produtos bancários, como empréstimos, por exemplo. Se um código QR for ativado em locais com um fluxo constante de pessoas, como pontos de ônibus ou shopping centers, os usuários podem digitalizar o código, o que os levará a uma página de desembarque para solicitar um empréstimo em minutos.

Como podemos ver, esse tipo de tecnologia é muito confiável para o setor financeiro, pois minimiza erros que o usuário pode cometer em uma transação para proteger dados confidenciais de seus clientes e colaboradores.

O QR está então emergindo como uma solução fácil de implementar e fácil de usar. Não é uma tecnologia que requer alta infraestrutura, ou máquinas de ponto de venda ou especializada em processos financeiros. Estamos diante de uma nova experiência de intercâmbios que está revolucionando as opções de processos digitais na região.

Andy Tran