Além da atualização tecnológica, os pagamentos digitais estão se movendo para um esquema mais diversificado de soluções onde os dados e a segurança são peças-chave para continuar em vigor.

À medida que mais consumidores adotam os pagamentos sem contato, novos desafios precisam ser superados.

A competição para aumentar os pagamentos por meio dos canais digitais abrange outros nichos. As pequenas empresas estão aderindo à tendência, mas outros esforços ainda são necessários para acelerar essa adoção.

Em 2020, ficou evidente o despreparo para a exigência de transações sem contato. A busca por pagamentos simples, rápidos e integrados fazia parte da nova normalidade e muitas empresas aproveitaram o momento para impulsionar suas transformações tecnológicas.

Nesse processo de transformação digital, a atualização é fundamental, pois continua sendo uma exigência de validade no mercado, principalmente em um cenário em que a concorrência aumenta e as necessidades dos usuários e comerciantes mudam constantemente.

Dessa forma, os bancos devem buscar maturidade tecnológica em pagamentos, aprofundando suas estratégias e contando com tecnologias de ponta: dados, tokens e capacidade de diversificar o leque de funcionalidades de um produto.

Uso de dados com un novo foco

A capacidade para pagamentos de qualquer tipo é o novo aspecto do valor em pagamentos móveis, em grande parte porque muitos dos participantes ainda não priorizaram esses tipos de serviços e também porque eles permitem coletar dados de outros produtos e serviços que os usuários usam em seu dia a dia.

Podemos ver o caso do Google Pay, por exemplo. Embora não seja uma instituição financeira propriamente dita, administra uma estratégia de agrupamento e seleção de dados de seus usuários, para posteriormente vinculá-los a anúncios específicos. Tudo isso sob a sombra de milhões de dados baseados em transações.

Os dados – em processos de pagamento – são coletados, processados, compartilhados e usados ​​digitalmente, não apenas a baixo custo, mas em maior escala.

É precisamente essa capacidade – de acessar a massa de dados e analisá-la para obter novos insights dos consumidores – que está abrindo oportunidades, como modelos financeiros de negócios personalizados.

Tokenização de pagamentos

Em questão de segurança, a tokenização em pagamentos está melhorando a experiência de pagamento digital graças à substituição de dados confidenciais pela geração de códigos, melhor chamados de tokens.

Normalmente, a tokenização está associada ao uso de cartões de débito ou crédito ao fazer uma compra online. Nesse caso, essa ferramenta substitui os dados do cartão do usuário e, em troca, oferece um token criptografado de ponta a ponta.

No campo dos pagamentos móveis por meio de carteiras digitais, essa tendência está estabelecendo um ritmo semelhante. Em vez de armazenar diretamente as informações do cartão, a carteira passa a substituir os dados por um código tokenizado. Desta forma, os dados do cartão original não podem ser coletados por golpistas.

Ressalta-se que a tokenização também está surgindo como um facilitador de pagamentos, uma vez que atua como uma função de vinculação imediata e direta, pois é armazenada no celular.

<h3 id=”Diversificação-de-soluções”><strong>Diversificação de soluções </strong></h3>

A proliferação de novos players no ecossistema financeiro está mudando as necessidades dos usuários em termos de processos de pagamento móvel, o que, por sua vez, estaria aumentando as demandas para os bancos tradicionais.

Diante disso, nem sempre é viável a capacidade de investir na infraestrutura necessária para se preparar para o futuro em pagamentos, mas sim apostar na colaboração ou associação com outras empresas de tecnologia, cujas etapas estão agregando milhões de usuários aos seus canais de pagamento.

Neste ponto, enquanto a maturidade tecnológica é necessária, também a maturidade competitiva, que se inclina em direção ao trabalho em conjunto com outras empresas.

As alianças entre empresas de tecnologia e entidades financeiras por meio de modelos bancários como plataforma são um exemplo disso.

Nesse sentido, as APIs de pagamento estão sendo usadas para fornecer uma experiência com menos atritos e, ao mesmo tempo, oferecer uma variedade mais generosa de métodos de pagamento. Além disso, eles podem fornecer acesso a relatórios em tempo real e atualizações de status de pagamento, ajudando a eliminar a necessidade de rastrear se um pagamento foi recebido ou enviado.

Com o passar do tempo, essas e outras estratégias irão evoluir para outras mais novas e complexas, então está na hora dos bancos apostarem na tentativa e erro de adoção. Aqueles que aderirem à mudança mais rapidamente, juntamente com uma forte proposta de valor competitivo, serão os negócios com maior lucratividade no futuro.

Andy Tran