Com produtos como hipotecas ecológicas e empréstimos de carros híbridos, a indústria financeira está se unindo à luta para frear a mudança climática

Tendo em vista a gravidade dos desafios ambientais, as ações para combater a deterioração do planeta mudaram de ONGs para grandes indústrias. O setor financeiro não é exceção.

O banco ecológico oferece serviços ambientalmente responsáveis e também inclui as melhores práticas de desenvolvimento internamente, acrescentando, assim, um lado ético e ecológico às operações.

Protocolos sustentáveis elevam a competitividade empresarial reduzindo custos e melhorando a eficiência de recursos, à medida que os usuários optam, cada vez mais, por incluir em suas vidas marcas que demonstram um compromisso com a sustentabilidade.

Esta nova necessidade aplicada à esfera financeira toma forma em produtos que oferecem uma opção transparente para reduzir a pegada da atividade bancária.

Há algum tempo, os clientes vêm procurando instituições financeiras que seu impacto direto e gerem benefícios ambientais, de acordo com o relatório da North American Task Force (NATF) das Nações Unidas, Finanças Verdes: Produtos e Serviços.

E 90% disseram que a crise climática os deixa incertos sobre seu futuro, de acordo com uma pesquisa climática de 2019 da consultoria de tendências do consumidor WGSN, refletindo o fato de que os consumidores têm o planeta no topo de suas prioridades.

Mas como criar um produto financeiro com um perfil mais ecológico, que seja ao mesmo tempo utilitário e atraente para o usuário sem perder a rentabilidade para o banco?

Estratégias para criar bancos verdes

Há várias maneiras pelas quais as instituições financeiras podem apoiar a luta contra o aquecimento global e, assim, se alinharem às expectativas de seus clientes.

O empréstimo sustentável é um bom exemplo. Este tipo de financiamento é caracterizado por taxas de juros mais baixas ou flexíveis, desde que visem projetos ou negócios que gerem menos desperdício e poluição.

Nos Estados Unidos, por exemplo, alguns financiadores estão concedendo empréstimos para a construção de edifícios que têm uma pegada verde de longo prazo, particularmente para equipamentos e materiais de condomínio eficientes em termos de energia.

Esta categoria inclui hipotecas verdes, uma proposta ambientalmente correta que os bancos comerciais em todo o mundo têm focado. Estes se caracterizam por serem destinados à compra de moradias eficientes em termos de energia, eletrodomésticos com esta característica ou energia através de painéis solares.

Há também a opção de trabalhar em empréstimos imobiliários com o objetivo de modernizar as casas com sistemas de energia convencionais para um sistema de energia mais sustentável.

O mercado de veículos também se torna um espaço ideal para tirar proveito do desenvolvimento de produtos financeiros sustentáveis. Junto com uma taxa mais baixa e competitiva, os créditos verdes podem ser atraentes para o usuário se forem concedidos para veículos híbridos e elétricos.

Banco digital = Banco ecológico

As finanças digitais estão provando sua capacidade de simplificar os procedimentos para torná-los mais eficientes, limpos e mais conscientes.

A tecnologia torna possível digitalizar muitos produtos – e processos – a fim de utilizar menos materiais de escritório nas transações financeiras. Com o avanço das assinaturas digitais, a obtenção de crédito, a abertura de contas e a papelada em geral têm encurtado os processos burocráticos e limitado a viagem do cliente de um ponto a outro.

Os bancos digitais também permitem a coleta rápida de dados a custos menores, aumentando a transparência e o acesso às informações que permitem aos bancos planejar melhor suas ações ambientais, por exemplo, através da emissão de cartões virtuais ou a compra de carros elétricos, a fim de direcionar o fornecimento de crédito de forma mais eficaz.

Outra iniciativa financeira que pode funcionar para aderir à tendência ecologicamente correta é a emissão de cartões de crédito de carbono, que medem a poluição associada à atividade econômica do usuário e podem ajudar a limitar seu impacto nocivo. Entretanto, um desafio neste contexto é uma infraestrutura digital fraca, bem como disponibilidade, valor e uso limitados de dados relacionados à sustentabilidade para a tomada de decisões financeiras.

Contudo, vale a pena ter uma visão sustentável para o futuro, tanto para a responsabilidade social e a reputação como para a estratégia empresarial.

Andy Tran