Apesar dos esforços, a conectividade à Internet continua sendo uma das maiores barreiras para a implantação de negócios eletrônicos nas áreas rurais. 

A implementação de pagamentos digitais offline é uma alternativa para a inclusão financeira em áreas rurais ao redor do mundo, onde a conectividade com a Internet permanece baixa. 

De acordo com um estudo publicado em agosto de 2021 pelo Banco Mundial, apenas quatro em cada dez latino-americanos vivendo em zonas rurais, de um total estimado de 123 milhões, têm opções de conectividade à Internet, em comparação com 71% da população das áreas urbanas. 

As disparidades substanciais no acesso à Internet entre as áreas urbanas e rurais também persistem em outras regiões. Por exemplo, em 2019, apenas 59% dos lares rurais na Europa tinham acesso à banda larga fixa, em comparação com 86% dos lares em todas as áreas em geral. No fim de 2018, nos Estados Unidos, a disponibilidade era de 77,7% nas áreas rurais, contra 94,4% em geral, de acordo com um relatório da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). 

Esta realidade limita as transferências de dinheiro digital, entre outros aspectos financeiros. 

Neste contexto, o desenvolvimento de tecnologias que permitem pagamentos eletrônicos offline torna-se uma oportunidade para que os bancos, no seu interesse, capturem novos e mal-atendidos mercados para as populações em geografias remotas. 

OS PAGAMENTOS DIGITAIS PODEM EXISTIR SEM CONEXÃO À INTERNET?

Hoje, encontramos alternativas desenvolvidas por empresas que, embora não amplamente conhecidas, já estão começando a promover esta metodologia offline. 

Na Índia, onde 65% da população é rural, a National Payments Corporation começou a fazer experiências com pagamentos sem conexão, em janeiro deste ano, sob o nome UPI Lite, que permitem transações de baixo valor. 

Uma das opções na vanguarda desta tendência é a SIM Overlay, que amplia as funções do cartão SIM e permite fazer pagamentos sem dados de Internet. Outra tecnologia é a OTA (over the air), que permite atualizações em redes sem acesso às bandas 3G ou 4G. 

Estas iniciativas são apoiadas por outras redes de comunicação que validam as operações sem necessidade de rede. 

Entretanto, existem outras soluções que armazenam as transações por um período até que a conexão seja restabelecida. 

A empresa de tecnologia financeira Square desenvolveu um modo “offline para seus terminais de ponto de venda. 

Embora a solução tenha sido projetada para superar falhas temporárias de conexão, ela permite que os pagamentos com cartão sejam processados automaticamente dentro de um prazo máximo de 72 horas para validar a transação, ou seja, até que o serviço seja restaurado. 

Esta solução pode ser considerada para o armazenamento de cargas em momentos de baixo sinal, embora apresente o desafio de não ser uma solução total para o problema da disponibilidade digital limitada. 

OPORTUNIDADE PARA BANCOS EM ÁREAS RURAIS

As instituições financeiras têm a oportunidade de captar novos mercados confiando em soluções offline, enquanto ajudam a trazer serviços básicos para as comunidades remotas que mais necessitam deles. E como sabemos, os pagamentos digitais são muitas vezes a porta de entrada para outros produtos digitais, como contas e crédito. 

Por exemplo, na Colômbia, a Mastercard introduziu o programa Café Paga para “gerar facilidade de acesso e consistência no uso de serviços financeiros formais e plataformas digitais entre os produtores de café”. 

A rede global de cartões salienta que as ferramentas digitais ajudam as áreas rurais a realizar atividades cotidianas e essenciais, tais como recargas telefônicas, sem ter que viajar para as áreas municipais. 

Também salienta que os pagamentos eletrônicos estabelecem um “elo” entre os usuários e suas instituições financeiras, uma conexão que ajuda a impulsionar as populações economicamente mais vulneráveis, enquanto introduz o usuário em um mundo de possibilidades transacionais. 

A aproximação entre as populações rurais e urbanas é um desafio contínuo. Confiando em tecnologias que estendem a conexão com a Internet ou buscam soluções offline para superar complexidades geográficas, os bancos podem fazer sua parte. 

Andy Tran